sábado, 1 de agosto de 2015

Feminismo no Brasil: Ordem e Progresso

            

Nas décadas finais do século XX, iniciou-se no Brasil um período que unia várias mudanças de cunho social e político. No que diz respeito às mudanças sociais, a resistência apresentada pelas mulheres contra a ditadura, e a luta por direitos iguais aos dos homens ganharam um destaque que até os dias atuais merecem ser ressaltados, contudo, verifica-se uma completa falta de conhecimento, de grande parte da sociedade brasileira, para com o Feminismo. Com o intuito de explicar minuciosamente esse conceito, é necessário fragmentá-lo e analisar a construção histórica da luta Feminista no Brasil e, além disso, relacionar esse fenômeno com as alterações sociais existentes no decorrer dessa trajetória.

É válido elucidar, primeiramente, o que é o Feminismo em si, baseando-se na filósofa belga Françoise Collin que dividiu o Feminismo, a partir do processo de construção histórica, em três fases: a fase universalista; que preza pela igualdade e equiparação de direitos civis, políticos e sociais entre o homem e a mulher; a fase essencialista; que busca a criação da identidade feminina que busca a essência da mulher diferenciando-se do homem; e por fim, a fase pós-moderna, que se baseia no processo de desconstrução da cultura machista existente na sociedade.

No que diz respeito ao Brasil, o Feminismo é algo que se desenvolveu há pouco tempo, e ainda hoje, é muito mal visto por parte de grande parte das pessoas. Tal fato se justifica a partir da cultura machista que existe na sociedade brasileira, que acaba por, em alguns casos, mascarar e distorcer o real objetivo do movimento feminista. As primeiras manifestações realizadas por mulheres se iniciaram no século XIX, no qual, as mulheres exigiam mais espaços na sociedade da época, principalmente, no que concerne a busca por educação. Nesse período destaca-se a figura de Nísia Floresta, sendo ela, uma das principais responsáveis por organizar os protestos e, sobretudo, por fundar a primeira escola dedicada somente para mulheres. Por muito tempo, as manifestações cessaram e, só voltaram a aparecer na Era Vargas, diante de um sentimento de indignação em relação ás várias restrições impostas pelo governo ao voto feminino, mesmo que, a Carta Magna de 1934 garantisse esse direto às mulheres. A partir desse momento, a luta tornou-se cada vez mais intensa, e se fortificou com o passar do tempo, atingindo seu ápice durante o período da ditadura militar. Durante esse período, as lutas tornaram-se mais constantes, e, diante de uma sociedade que aspirava por mudanças, o movimento feminista ganhou força e passou a influenciar várias mulheres. A principal fonte de disseminação do movimento era a Associação de Mulheres, que através do jornal Nós Mulheres, buscava relatar e divulgar os assuntos ocorridos no cotidiano que não eram veiculados na imprensa, expondo sempre o pensamento feminista sobre todos os aspectos da sociedade.

Com o final da ditadura militar, o Feminismo pode se consolidar e tornar-se uma força política e, sobretudo, socialmente. Além disso, durante esse período de redemocratização ocorreu à mudança mais significativa do Feminismo no Brasil, tal mudança, se deu a partir da mudança do objeto de estudo do Feminismo, tendo em vista que, a partir de agora, a ideia do Feminismo não seria mais a equiparação dos direitos com o homem, mas sim, a busca por criar e enaltecer a identidade da mulher na sociedade brasileira. Partindo do que foi dito anteriormente no texto, esse momento da história significa a transição da 1ª para a 2ª fase, de acordo com o pensamento de Françoise Collin.

Na contemporaneidade, as lutas feministas se baseiam na denúncia e na resistência contra a violência doméstica, na qual, o maio símbolo de conquista a partir dessas lutas, foi à criação da Lei Maria da Penha. Outra conquista fundamental no ponto de vista político foi a retomada do projeto de conclusão da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, que visa auxiliar a mulher em todos os âmbitos. Ademais, outro indício do progresso do Movimento Feminista no Brasil, é o fato de que, pela primeira vez na história, existir uma presidente no Brasil, que representa uma ascensão da mulher na sociedade brasileira, que só tende a crescer com o passar do tempo, até que a inferioridade da mulher em relação ao homem deixe de existir.



Um comentário:

  1. Olá tudo bem com você? espero que sim.

    Eu não sei se você viu, mas criaram um blog nojento chamado tio Astolfo, que defende abertamente o estupro de mulheres e a pedofilia.

    E ainda me colocaram como autor do blog, só imagina o constrangimento que e para mim isso, por isso te peço que denuncie o blog

    http:// tioastolfo. com

    (Emende na barra do navegador a URL

    Eu coloquei assim a URL assim para diminuir o risco deste comentário ir direto parar na caixa de spam.)

    Para a policia federal por e-mail (crime.internet @dpf. gov .br) e/ou depois denuncie o para a http:// safernet. org .br/

    Ai talvez a PF de um jeito de tirar esta imundice de blog do ar e punir o dono.

    Se possível peça a outras pessoas que denunciem também, Conto com a sua ajuda.

    Você não precisa publicar este comentário, eu só fiz ele porque não achei nenhum formulário para contato aqui, pode apaga o este comentário depois de ler.

    Um abraço

    ResponderExcluir