domingo, 12 de março de 2017

A evasão escolar no Brasil


Professores brilhantes, alunos fascinantes 

A história da educação brasileira é constituída de muita falta de estrutura e de muita desigualdade, haja vista que os mais pobres não têm a possibilidade de custear um ensino privado. Nesse sentido, muitos jovens sofrem com essa situação de descaso, a ponto de preferirem fazer outras atividades a estudar. Diante disso, a falta de investimentos e a pouca valorização dos profissionais da educação são fatores cruciais para a constante evasão das escolas brasileiras. 

Nesse contexto, recentemente, o Presidente Michel Temer anunciou as novas medidas de reforma do Ensino Médio. O projeto busca flexibilizar as matérias que os alunos devem ter como forma de melhorar os índices que, até então, são muito ruins. Dessa forma, infelizmente, não transformará a crítica realidade, porque, enquanto o Governo não garantir os subsídios necessários, os alunos continuarão despreparados para ingressarem nas universidades, bem como muitos deles continuarão desestimulados, podendo abandonar os estudos como muito acontece. 

Nessa perspectiva, constrói-se uma sociedade limitada perante as exigências do mundo "Técnico- Científico- Informacional", como citado pelo geógrafo Milton Santos. Em face disso, por mais que os alunos tenham desejo de aprender e de construir um futuro melhor, lastimavelmente, são prejudicados junto a esse sistema desigual. Além disso, as escolas não têm bibliotecas preservadas e organizadas, as salas não são adequadas ao ambiente de estudo, os diretores e coordenadores são despreparados e, muitas vezes, pouco esforçados em cumprir seus deveres, os professores são pouco qualificados, desestimulados, recebem salários atrasados, não ganham uma assistência eficiente, entre outras questões. Tudo isso em conjunto faz com que os jovens deixem às escolas e fiquem à mercê da violência. 

À luz dessas ideias, é importantíssimo que o Estado faça mais investimentos inteligentes na educação, de modo que haja mais controle sobre a evolução dos alunos ao longo dos anos. Ademais, é fundamental a valorização do professor, visto que são eles que transmitem o conhecimento para os jovens, o que não se espera que seja propalado um conhecimento inadequado. Outrossim, é importante a participação popular, a fim de reivindicar mudanças consistentes para que os jovens do Brasil possam estudar com dignidade. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário